Howard Garner

Howard Garner é um cientista americano, nascido em Scranton, Pensilvânia, no dia 11 de julho de 1943.

Formado no campo da psicologia e da neurologia e professor de psicologia da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, causou forte impacto na área educacional com sua teoria das inteligências múltiplas, divulgada no início da década de 1980. Seu interesse pelos processos de aprendizado já estava presente nos primeiros estudos de pós-graduação, quando pesquisou as descobertas do suíço Jean Piaget (1896-1980).

Autor de trinta livros traduzidos em trinta e dois idiomas e várias centenas de artigos, Gardner é muito conhecido nos círculos educacionais por sua teoria das inteligências múltiplas, uma crítica à noção de que existe apenas uma única inteligência humana que pode ser avaliada pelos instrumentos psicométricos padrões (consulte https://www.multipleintelligencesoasis.org/).

Desde meados da década de 1990, Gardner dirige o The Good Project, um grupo de iniciativas, fundado em colaboração com os psicólogos Mihaly Csikszentmihalyi e William Damon, que promove a excelência, o engajamento e a ética na educação, preparando os alunos para se tornarem bons trabalhadores e bons cidadãos que contribuem para o bem-estar geral da sociedade.

A Teoria das Múltiplas Inteligências

A ideia de que existem várias aptidões, além do raciocínio lógico-matemático, apresentada pelo psicólogo, causou grande impacto nos meios pedagógicos.

Os componentes do MI

Para que algo seja qualificado como inteligência, deve satisfazer os oito “sinais” de inteligência de Howard Gardner. Após extensa pesquisa, Gardner identificou oito inteligências distintas.

ESPACIAL

A capacidade de conceituar e manipular matrizes espaciais de grande escala (por exemplo, piloto de avião, marinheiro) ou formas mais locais de espaço (por exemplo, arquiteto, jogador de xadrez).

CORPORAL-CINESTÉSICO

A capacidade de usar todo o corpo ou partes do corpo (como as mãos ou a boca), para resolver problemas ou criar produtos (por exemplo, dançarino).

 

 

MUSICAL

Sensibilidade ao ritmo, afinação, métrica, tom, melodia e timbre. Pode envolver a capacidade de cantar, tocar instrumentos musicais e/ou compor música (por exemplo, maestro musical).

LINGUÍSTICA

Sensibilidade ao significado das palavras, à ordem entre as palavras e ao som, ritmos, inflexões e métrica das palavras (por exemplo, poeta). (Às vezes chamado de inteligência linguística.)

LÓGICO-MATEMÁTICA

A capacidade de conceituar as relações lógicas entre ações ou símbolos (por exemplo, matemáticos, cientistas). O famoso psicólogo Jean Piaget acreditava estar estudando a gama de inteligências, mas na verdade estava estudando a inteligência lógico-matemática.

INTERPESSOAL

A capacidade de interagir eficazmente com os outros. Sensibilidade ao humor, sentimentos, temperamentos e motivações dos outros (por exemplo, negociador). (Às vezes chamado de inteligência social.)

INTRAPESSOAL

Sensibilidade aos próprios sentimentos, objetivos e ansiedades e a capacidade de planejar e agir à luz de suas próprias características. A inteligência intrapessoal não é específica de carreiras específicas; em vez disso, é um objetivo para cada indivíduo em uma sociedade moderna complexa, onde cada um tem que tomar decisões importantes para si mesmo. (Às vezes chamado de auto inteligência.)

NATURALISTA

A capacidade de fazer distinções consequentes no mundo da natureza como, por exemplo, entre uma planta e outra, ou uma formação de nuvens e outra (por exemplo, taxonomista). (Às vezes chamado de inteligência da natureza.)

 

Veja a carta que ele enviou a criadora da metodologia LearningFun

 

Prezada Tereza,

 

Obrigado por sua gentil nota e por me contar sobre Learning Fun. Eu aprecio o seu interesse no meu trabalho e fico feliz que ele tenha inspirado você. Para obter as informações mais recentes sobre a teoria das IM, você pode ver meu site: https://www.multipleintelligencesoasis.org

Ao longo dos anos, vários professores de línguas estrangeiras me abordaram sobre como usar as ideias “MI” no ensino de línguas estrangeiras. Minha avaliação original era que a contribuição real da IM para o ensino de línguas estrangeiras, ou educação bilíngue, seria modesta – comparada, digamos, ao seu papel no ensino de história, geografia ou biologia. Mas aqui estão algumas maneiras pelas quais isso pode ser útil:

  1. Os jovens provavelmente aprendem melhor as línguas de diferentes maneiras. Eu, por exemplo, adoro aprender com o texto escrito; muitos, talvez a maioria dos outros, preferem aprender por meio de interações humanas, assistindo a vídeos etc.
  2. Todos nós aprendemos melhor quando somos motivados pelo tópico e gostamos do ambiente em que o aprendizado ocorre. Especialmente devido às novas tecnologias, deve ser possível “adaptar” a abordagem educacional ao aluno.
  3. Este é provavelmente o ponto mais importante, mas é o mais difícil de explicar de forma sucinta. Cada língua tem certas características distintivas que não são intuitivas para aqueles que não falam a língua. Por exemplo, as várias conjugações do modo subjuntivo em espanhol não fazem sentido intuitivo para mim; Casos latinos são difíceis para aqueles que não têm esses modos em sua língua nativa etc. Existem muitas maneiras de transmitir esses conceitos, que são importantes dentro de um idioma e as abordagens de inteligência múltipla podem ser bastante úteis. Trabalho essas ideias nos capítulos 7-9 do meu livro THE DISCIPLINED MIND.
  4. De maneira mais geral, a publicação mais atualizada sobre a teoria das IM é a INTELLIGENCE REFRAMED, que contém uma grande bibliografia. Eu acho que vários artigos mencionados lá podem ser relevantes para você. Além disso, essa lista de referência contém vários “testes” para as inteligências múltiplas. Eu particularmente não recomendo nenhum deles, mas se você precisa de algum tipo de instrumento para medir um perfil, é por aí que você deve começar. Certifique-se de distinguir entre testes que simplesmente medem preferências e aqueles que realmente exploram habilidades nas diferentes inteligências.

 

Atendimento Online
Escanear o código